O QUE É A HOMEOPATIA?

HOMEOPATIA 

homeopatia1

Na Homeopatia, criada pelo médico alemão Christian Friedrich Samuel Hahnemann (1755-1843) em 1796, que trabalha com o princípio dos semelhantes, o Homeopata busca encontrar um medicamento que foi capaz de causar em indivíduos sadios sintomas semelhantes aos que se desejam combater nos indivíduos doentes.

 Naquela época era comum o uso de sangrias, remédios para vômitos, purgantes, etc., sem nenhuma segurança de eficácia ou de risco de morte.

Os médicos julgavam-se autoridades máximas, acima da natureza e ainda achavam que seus métodos eram infalíveis, mesmo diante de várias mortes e outros danos que causavam. Por isso Hahnemann resolveu abandonar a medicina.

Em um de seus escritos está refletida a angústia e o desânimo que pousaram sobre ele naquela época: “converter-me em assassino de meus irmãos era para mim um pensamento tão terrível que renunciei à prática para não me expor mais a continuar prejudicando“. Essa postura mostra sintonia com a máxima de Hipócrates: “Primo nil nocere“, ou seja, primeiramente não prejudicar.

Ele era um poliglota. Consta que conhecia grego, latim, hebraico, árabe, caldeu, alemão, inglês, francês, italiano, espanhol, entre outras línguas. Tendo abandonado a prática médica, passa a viver dos trabalhos de tradução, sobretudo das obras médicas e científicas de antigos mestres como Hipócrates, Paracelso, Jan Baptista van Helmont, Thomas Sydenham, Boerhaave, Stahl e Albrecht von Haller.

Foi trabalhando na tradução de uma matéria médica de Cullen, (gênero botânico) em 1790, que um fato descrito pelo autor chamou sua atenção. A Cinchona officinalis (quinina) proveniente do Peru, era usada na Europa no tratamento do paludismo. Segundo o autor, a quinina atuava fortalecendo o estômago e produzindo uma substância contrária à febre. Hahnemann decide provar, nele mesmo, o remédio.

Observou que os sintomas eram os mesmos das crises de malária ao ingerir a quinina e seu desaparecimento ao cessar o seu uso. Repetiu a experiência várias vezes com a quinina, depois com beladona, mercúrio, ópio, arsênico e outros medicamentos.

Inspirado pela obra de von Haller, que preconizava o estudo do medicamento na pessoa saudável, antes de ser ministrada ao doente, inclui seus parentes nas experiências, observa e anota pormenorizadamente os resultados.

Depois de seis anos de pesquisas intensas, Hahnemann publica o “Ensaio sobre um novo princípio para descobrir as virtudes curativas das substâncias medicamentosas, seguido de alguns comentários a respeito dos princípios aceitos na época“.

Em 1796 nasce a homeopatia. Como visto acima, os princípios já haviam sido enunciados por outros médicos anteriormente, mas é Hahnemann quem dá um corpo único, coerente, sintético, com fundamentos nitidamente compreensíveis à homeopatia. É curioso mencionar que foi ele quem cunhou os termos “homeopatia” (a qual também se referia como Arte de Curar) e “alopatia” (Prática abusiva, agressiva e pouco eficaz).

A partir de 1801 Hahnemann começa a usar “medicamentos dinamizados” (técnica própria da homeopatia que visa o desenvolvimento da força medicamentosa latente na substância e que consiste em submeter a droga a diluições e sucussões – movimento de balanço – sucessivas) e observa que isso dá mais potência ao medicamento.

Com uma visão holística em toda sua obra, Hahnemann cria os quatro princípios que orientam a prática homeopática, que são:

Lei dos Semelhantes: Resultado de suas releituras dos Clássicos e, sobretudo, de suaspróprias experiências, anuncia esta Lei universal da cura: similia similibus curantur. (semelhante pelo semelhante se cura)

Experimentação na pessoa sadia: A fim de conhecerem as potencialidadesterapêuticas dos medicamentos, os homeopatas realizam provas, chamadas patogenesias; em geral são eles mesmos os experimentadores. Tipicamente não se fazem experiências com animais. Uma condição básica para a escolha dos provandos é que sejam saudáveis. Esses medicamentos são capazes de alterar o estado de saúde da pessoa saudável e justamente o que se busca são os efeitos puros dessas substâncias.

Doses infinitesimais: A preparação homeopática dos medicamentos segue uma técnicaprópria que consiste em diluições infinitesimais seguidas de sucussões rítmicas, ou seja: mistura-se uma pequena quantidade de uma substância específica em muita água e/ou álcool e agita-se bastante. A tese é de que essa técnica “desperte” as propriedades latentes da substância. Isso é chamado de “dinamização” ou “potencialização” do medicamento.

Medicamento único: Primeiro o homeopata avalia se a natureza individual está a”pedir” intervenção com medicamento, pois esse é um dos meios que o médico tem para auxiliar a pessoa, não o único. Sendo o caso, usa-se um medicamento por vez, levando-se em conta a totalidade sintomática do paciente. Só assim é possível ver seus efeitos, a resposta terapêutica e avaliar sua eficiência ou não. Após a primeira prescrição é que se pode fazer a leitura prognóstica, ver se é necessário repetir a dose, modificar o medicamento ou aguardar a evolução.

A questão da superdiluição: A maioria dos cientistas acredita que diluir substâncias tanto quanto é feito na Homeopatia, diminuiria drasticamente o efeito que a substância em questão possui.

O sistema de diluição é uma preocupação na homeopatia visando diminuir o poder patogenético dos medicamentos, evitando-se uma agravação dos sintomas quando se administra doses fortes de uma substância que causa sintomas semelhantes aos do paciente.

Na homeopatia o importante é despertar os mecanismos do corpo humano para que haja uma resposta do sistema de cura. Em dias quentes, como é comum na Índia e na China, as pessoas costumam tomar chá quente. Desta forma, a bebida provoca uma reação no corpo que é semelhante a um resfriamento. Ou seja, é o princípio da cura pelo similar.

A nossa energia vital, que circula pelos meridianos, tem forças naturais para promover todos os tipos de cura, dependendo, apenas, do seu despertar. Assim também é feito na Acupuntura, liberando as energias através das agulhas em pontos específicos dos meridianos, e no Reiki, a ativação da energia se faz através dos chacras.

O preparo dos compostos homeopáticos segue princípios e técnicas bem definidos e simples. As etapas são:

1 – Extração de um principio mineral ou vegetal da fonte; 

2 – Pulverização (trituração e moagem) do insumo, se necessário;

3 – Dissolução num veículo adequado, aquoso, hidroalcóolico,etc.;

4 – Diluição em sequência centesimal hahnemanniana;

5 – Dinamização, ou Potencialização ou ainda sucussão.

O tratamento: como fazer?

Na Homeopatia não há doenças e simdoentes. Se estamos enfraquecidos, sem reservas, teremos problemas porque nosso organismo está fraco e sem resistência.

Exemplo: “Estou doente (baixa resistência) por isso peguei tuberculose” No Sistema Homeopático não devemos tratar parte do corpo, mas sim tratar do corpo todo. Por exemplo: se você tem infecção no dedo do pé, não éseu pé apenas que está doente, mas é seu corpo. Então, temos que tratar do corpo, da totalidade “mente e corpo”.

Doenças são desequilíbrios! O Sistema Homeopático visa restaurar/recuperar o equilíbrio da totalidade. Sintomas não são doenças por isso, quando tratamos os sintomas as doenças continuam.

A ciência da homeopatia conflita com a estrutura materialista e consumista imposta pelo capitalismo irracional e pelos banqueiros que vem dominando as sociedades humanas de vários países. A Homeopatia é ciência informacional, não-molecular e que tem como base os preparados altamentediluídos e sucussionados (dinamizados). É preciso ser estudada visando sua compreensão e adoção, de modo que não seja praticada como nova fonte de insumos substitutivos dos químicos e dos agrotóxicos. Nem com medicamento comum da indústria.

Os preparados homeopáticos são empregados nos humanos, nos animais, nos vegetais, no solo e na água. O modo de ação da homeopatia, aplicada dentro da lógica de seus princípios, respeita e incentiva os processos de cura dos vegetais, animais e sistemas vivos. A homeopatia estimula o
sistema de defesa destes organismos de modo que resistam às doenças, aos insetos-praga e aos impactos dos fatores climáticos ou ambientais. A homeopatia promove o equilíbrio sem extinguir: vírus, fungos, bactérias, insetos e outros tipos de agentes.

Frequentemente o meio rural está subordinado à imposição dos agrotóxicos causando danos não apenas no momento presente, mas comprometendo a vida do planeta. O capitalismo irracional revela assim, sua ambição desmedida, privando a saúde da terra, da água, do ar, e a qualidade de vida de todos. Os banqueiros gostam de calcular muito e raciocinar pouco.

Por meio das experiências foi descoberto que a desvitalização do solo é resultado da intoxicação crônica (com agrotóxicos principalmente) e da destruição. É resultado dos sistemas convencionais de produção agropecuária que geram alimentos desvitalizados e, por conseguinte, indivíduos intoxicados.
A família agrícola está adotando o sistema orgânico e a homeopatia cada vez mais.

A homeopatia não é exclusividade médica. A homeopatia foi oficializada como recurso da produção orgânica e agroecológica no Brasil, portanto é permitida a pessoas que respeitam o ambiente e a vida

Pequeno Histórico sobre a Homeopatia | O caso do Brasil 

A Homeopatia é uma prática estimulada pela OMS – Organização Mundial de Saúde, para ser implantada em todos os sistemas de saúde do mundo, em conjunto com a medicina oficial, desde 1978, reforçada pelo documento Estratégia da OMS sobre medicina tradicional 2002-2005.

Em países como França, Reino Unido e Alemanha usam a homeopatia em seus sistemas de saúde pública.

No Brasil, a Homeopatia é considerada como especialidade médica desde 1980, reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina Alopática, tendo sido incluída no Sistema Único de Saúde (SUS) desde 2006.

No Brasil a Homeopatia chegou em 1840. Porém, após a 2a Guerra Mundial (1939-1945), os laboratórios internacionais dominaram os mercados com produtos químicos (remédios de farmácia) e praticamente varreram da mente dos(as) brasileiros(as) as formas tradicionais de tratamento. Porém, a cultura foi preservada e a UFV na década de 90 iniciou a divulgação da Homeopatia (que passou a ser denominada “altas diluições” no ambiente científico).

A Homeopatia como prática popular tem base legal na Instrução Normativa nº 7 publicada no Diário Oficial da União (19/05/99) que estabelece as normas da produção orgânica no Brasil e recomenda a aplicação da Homeopatia pelos produtores rurais. A Homeopatia no meio rural é tida como proposta libertadora e humanitária. As pessoas com conhecimento sobre

Homeopatia podem acelerar a reconstrução empregando os recursos da própria natureza.

O Ministério do Trabalho e do Emprego oficializou a Classificação Brasileira de Ocupações (CBO 2002). Na página n° 391 da CBO consta o código (3321-15) de ocupação do(a) Homeopata. A ocupação em Homeopatia é oficialmente reconhecida. A ocupação “Homeopata” é declarável oficialmente em: RAIS, CAGED, Imposto de Renda, DIRPF, PNAD, IBGE. O(A) Homeopata deve respeitar os(as) profissionais que também se ocupam da Homeopatia: Veterinário, Agrônomo, Farmacêutico, Médico (a ocupação médico-homeopata na CBO é código 2231-35), dentre outros.

LEMBRE-SE
“A pessoa errada, com o método certo, faz o errado. A pessoa certa, com o método errado, faz o certo”. É preciso estar consciente e atento(a). É preciso concentração. É preciso amor, paz e serenidade ao lidar com a homeopatia

Curas Naturais, Saúde uma Luz para a Vida

Fontes: Livro Vermelho da Saúde Caderno de Homeopatia dos Curso de Extensão da UFV

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s